sábado, 27 de abril de 2013

1º ANO SIMULADO DE FILOSOFIA QUESTÕES DE 1 A 26 GABARITO NO FINAL


QUESTÃO 01 

Leia o texto e responda à pergunta a seguir. 
"Muitas têm sido as explicações das causas históricas para a origem da filosofia na Jônia. Alguns consideram que as navegações e as transformações técnicas tiveram o poder de desencantar o mundo e forçar o surgimento de explicações racionais sobre a realidade. Outros enfatizam a invenção do calendário (tempo abstrato), da moeda (signo abstrato para a ação de troca) e da escrita alfabética (transcrição abstrata da palavra e do pensamento), que teriam propiciado o desenvolvimento da capacidade de abstração dos gregos, abrindo caminho para a filosofia. Sem dúvida, esses fatores foram importantes e não podem ser desconsiderados e minimizados, mas não foram os principais" (CHAUÍ, M. Introdução à história da filosofia - dos pré-socráticos a Aristóteles. São Paulo: Brasiliense, 1994 - p. 35).
 
A principal determinação histórica para o nascimento da filosofia é
 
(A) política: o nascimento, simultâneo a ela, da Cidade-Estado, isto é, da polis, pois, com esta, desaparece a figura que foi a do antecessor do filósofo, o Mestre da Verdade (o poeta, o adivinho e o rei-da-justiça).
 
(B) ética: na Grécia arcaica a palavra verdadeira ou alétheia nasce simultaneamente à filosofia, pois é esta palavra eficaz que dá origem ao logos em oposição à dóxa.
 
(C) mitológica: o nascimento, simultâneo a ela, do oráculo de Delfos, marcando, de forma decisiva, a vinculação entre a filosofia e mitologia.
 
(D) épica: o nascimento, simultâneo a ela, de uma nova classe de homens, aqueles que têm direito à palavra, os guerreiros; no entanto, não se trata mais daquela palavra religiosa, solitária e unilateral, própria dos iniciados, mas sim da palavra compartilhada, dita em público, de maneira leiga e humana.
 
(E) teórica: a filosofia nasce da contemplação desinteressada, ela é simultânea ao nascimento da ontologia ou metafísica, isto é, à pretensão do logos em atingir o universal (o Ser).
 
QUESTÃO 02 

O fato científico 
(A) consiste em um método de interpretação conceitual-filosófico, posterior ao procedimento analítico.
 
(B) é o procedimento analítico por excelência das ciências humanas, encarregado de vincular os elementos subjetivos e objetivos de um fenômeno.
 
(C) ou o objeto científico são dados empíricos espontâneos de nossa experiência cotidiana, arrolados pelos cientistas para verificação e classificação estatísticas.
 
(D) ou o objeto científico são dados empíricos construídos pela investigação científica.
 
(E) demonstra, prova e prevê uma teoria científica.
 
QUESTÃO 03 

Informe se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que se afirma a seguir e assinale a alternativa com a sequência correta. 
( ) O trabalho das ciências pressupõe, como condição, o trabalho da Filosofia, mesmo que o cientista não seja filósofo.
 
( ) Admiração e espanto são atitudes filosóficas que significam: tomamos distância do nosso mundo costumeiro e, mediante nosso pensamento, como se estivéssemos acabando de nascer para o mundo e para nós mesmos, perguntamos o que é, por que é, e como é o mundo.
 
( ) A Filosofia pode ser considerada Ciência, é assim desde a antiguidade clássica; ambas trabalham com enunciados rigorosos, buscam encadeamento lógico entre os enunciados, operam com conceitos obtidos por procedimentos de demonstração e prova. Por isso, a Filosofia, assim como as Ciências, exige a fundamentação racional e sistemática do que é enunciado e pensado.
 
( ) A reflexão filosófica organiza-se em torno de três grandes conjuntos de questões: O que é pensar, falar e agir? E elas pressupõem a seguinte pergunta: nossas crenças cotidianas são ou não são um saber verdadeiro, um conhecimento?
 
( ) A atitude científica depende de nossos saberes cotidianos, por isso, ela não se distingue da atitude costumeira ou do senso comum. Não podemos negar ao menos duas características pressupostas a ambas as atitudes: objetividade - isto é, procuram as estruturas necessárias das coisas investigadas - e generalização - tendem a reunir numa ideia coisas e fatos julgados semelhantes, procurando estabelecer relações de causa e efeito.
 
(A) V - V - F - V - F. 
(B) F - V - V - V - V.
 
(C) F - V - F - F - F.
 
(D) V - F - V - V - V.
 
(E) V - F - F - V - V. 

QUESTÃO 04 

Informe se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que se afirma a seguir e assinale a alternativa com a sequência correta. 
( ) No Mito da Caverna, de Platão, aquele que atingiu a contemplação da luz e saiu da caverna, o filósofo, deve a ela retornar para libertar aqueles que ficaram e têm as sombras como única realidade. Esse retorno é voluntário e é aqui que podemos inserir a pergunta pela função social do filósofo: a interferência no social, simbolizada pela volta à caverna, caracteriza-se principalmente pela educação.
 
( ) É interessante notar que, ao contrário de Sócrates, e mesmo ao contrário de Platão, Descartes não manifesta nenhuma intenção expressa de interferência na sociedade. A partir da certeza absoluta de que encontrou o método e o fundamento da verdadeira filosofia, trata apenas de desenvolver seu sistema na solidão de seu retiro holandês. E, no entanto, em termos da significação da sua obra, mesmo de sua atitude filosófica, o que temos nele são simplesmente os fundamentos da civilização moderna.
 
( ) Sabemos que o Brasil é um país com uma débil tradição filosófica. Desde sua implantação, em meados do século XVIII, a filosofia foi ensinada de forma dogmática, carregada de uma forte filosofia tomista - tanto no ensino médio quanto posteriormente nas universidades. Dessa forma, o papel social do filósofo brasileiro tem sido, desde sua origem, meramente pedagógico, sem nenhuma envergadura política de peso.
 
( ) Lemos claramente nos PCNs (1999) que a função social do filósofo no ensino médio é formar futuros filósofos. Essa proposta parte do pressuposto de que o ensino médio deve ser uma transposição reduzida do currículo acadêmico. No entanto, esse documento é enfático em afirmar que, ainda que se deva partir dos conhecimentos acadêmicos, deve-se evitar o academicismo.
 
(A) F - V - F - V. 
(B) V - V - F - F.
 
(C) F - V - V - V.
 
(D) V - F - F - F.
 
(E) V - V - F - V. 
QUESTÃO 05

O Método Dedutivo nasce com René Descartes e progressivamente vai sendo utilizado por todos os campos do saber. Embora sua definição seja aparentemente fácil, equívocos podem ser cometidos em sua conceituação. Das características ou definições do Método Dedutivo, a partir de Descartes, marque somente a incorreta: 
a) Método dedutivo é a modalidade de raciocínio lógico que faz uso da dedução para obter uma conclusão a respeito de determinada premissa.
 
b) É um método que utiliza variações do pensamento para fazer afirmações supostamente verdadeiras dentro de um contexto, tópico, assunto ou colocação.
 
c) É um método que parte do geral para o particular para descobrir verdades não explicitadas.
 
d) Em certo sentido, o método dedutivo segue um caminho inverso ao do método indutivo.
 
Leia o texto para responder às questões de números 40 e 41. 
"A caverna (...) é o mundo sensível onde vivemos. O fogo que projeta as sombras na parede é um reflexo da luz verdadeira (do Bem e das ideias) sobre o mundo sensível. Somos os prisioneiros. As sombras são as coisas sensíveis, que tomamos pelas verdadeiras, e as imagens ou sombras dessas sombras, criadas por artefatos fabricadores de ilusões. Os grilhões são nossos preconceitos, nossa confiança em nossos sentidos, nossas paixões e opiniões. O instrumento que quebra os grilhões e permite a escalada do muro é a dialética. O prisioneiro curioso que escapa é o filósofo. A luz que ele vê é a luz plena do ser, isto é, o Bem, que ilumina o mundo inteligível como o Sol ilumina o mundo sensível. O retorno à caverna para convidar os outros a sair dela é o diálogo filosófico, e as maneiras desajeitadas e insólitas do filósofo são compreensíveis, pois quem contemplou a unidade da verdade já não sabe lidar habilmente com a multiplicidade das opiniões nem mover-se com engenho no interior das aparências e ilusões. Os anos despendidos na criação do instrumento para sair da caverna são o esforço da alma para libertar-se. Conhecer é, pois, um ato de libertação e de iluminação. A Paideia filosófica é uma conversão da alma voltando-se do sensível para o inteligível. Essa educação não ensina coisas nem nos dá a visão, mas ensina a ver, orienta o olhar, pois a alma, por sua natureza, possui em si mesma a capacidade para ver." [Marilena Chauí]
 

QUESTÃO 06
De acordo com o texto, pode-se afirmar que: 
a) O conhecimento filosófico é o único que pressupõe o acesso ao mundo sensível.
 
b) Filosofar é um instrumento de alienação para quem sai da caverna.
 
c) O filósofo, por sua busca, tem uma visão mais abrangente do conhecimento.
 
d) A unidade da verdade não permite divagações metafísicas.
 
QUESTÃO 07
Ainda sobre o texto, pode-se afirmar que: 
a) O processo de esclarecimento por meio da filosofia pressupõe a iluminação das coisas sensíveis pelos fabricadores de ilusões.
 
b) A Paideia filosófica é um processo de dissolução de preconceitos e de ideias ligadas ao senso comum.
 
c) A alegoria da caverna não se adequa às realidades contemporâneas.
 
d) Convidar as pessoas para saírem da caverna é um contrassenso, pois somente o filósofo pode sair da caverna.
QUESTÃO 08 
Sobre as relações entre Ciência e Senso Comum, marque a alternativa FALSA, ou seja, aquela que não descreve adequadamente essa relação ou alguns de seus termos. 
a) "O senso comum e a ciência são expressões da mesma necessidade básica, a necessidade de compreender o mundo, a fim de viver melhor e sobreviver. E para aqueles que teriam a tendência de achar que o senso comum é inferior à ciência (...), por dezenas de milhares de anos os homens sobreviveram sem coisa alguma que se assemelhasse a essa nossa ciência".
 
b) "O bom senso [ou senso comum] é simplesmente o depósito intelectual indiferenciado resultante da série de experiências fecundas da espécie, do grupo social e do indivíduo, que se transmite em forma não-sistemática, por herança racional, e não em caráter de conhecimento refletido".
 
c) "O senso comum é marcado pela falta de qualquer conteúdo racional, não se constituindo em nenhum momento uma construção cognitiva válida. A ciência representa uma ruptura radical com o senso comum, ao substituí-lo por uma compreensão do real racionalmente construída. O senso comum é irracional e a ciência representa a racionalidade do ser humano".
 
d) "Enquanto o saber comum observa um fato a partir do conjunto de dados sensíveis que formam a nossa percepção imediata, pessoal e efêmera do mundo, o fato científico é um fato abstrato, isolado do conjunto em que se encontra normalmente inserido e elevado a um grau de generalidade (...). Isso supõe uma capacidade de racionalização dos dados recolhidos, que nunca aparecem como dados brutos, mas sempre passíveis de interpretação".
 
e) "A ciência não é um órgão novo do conhecimento. A ciência é a hipertrofia de capacidades que todos têm. Isto pode ser bom, mas pode ser muito perigoso. Quanto maior a visão em profundidade, menor a visão em extensão. A tendência da especialização [na ciência] é conhecer cada vez mais de cada vez menos. [Nesse sentido], a aprendizagem da ciência é um processo de desenvolvimento progressivo do senso comum. Só podemos ensinar e aprender partindo do senso comum de que o aprendiz dispõe".
QUESTÃO 09 

Sobre a caracterização, conceituação e importância da Filosofia na contemporaneidade, marque a alternativa FALSA.
 
a) "A filosofia, contrariamente às diversas ciências, não pretende explicar fatos. [Da perspectiva dos filósofos] a questão "O que é, em geral, um fato?" é, ao contrário, um verdadeiro problema. Mesmo que um filósofo chegue a elucidar, a seu modo, a noção de "fato", não terá contudo determinado nenhum fato que pudesse explorar, à maneira do cientista".
 
b) "Aceitar o pluralismo como condição inelutável da filosofia não é resignar-se a um ecletismo bendito. Reconhece-se, então, simplesmente que a própria ideia de trabalho filosófico marcado estilisticamente conduz a aceitar a presença simultânea e a permanência, no tempo, de sistemas irreconciliáveis entre si e que não poderiam mutuamente se refutar do exterior, por assim dizer. Cada um deles só pode ser realmente atacado, modificado, transformado do interior".
 
c) "Uma filosofia que não integre ou integre mal no seu sistema de significados uma etapa suficientemente contemporânea de ciência, não poderia satisfazer-nos totalmente. (...) Observaremos, a propósito disso, que nenhuma das grandes filosofias do passado furtou-se à necessidade de assimilar um sentido - mesmo minimizado - à obra científica. Do ponto de vista que apresentamos, uma filosofia da ciência aparece, pois, não como elemento determinante e dominador, mas certamente como elemento crítico e revelador, como um dos pontos mais sensíveis cuja exploração pode revelar, melhor que outros, o grau de validade de um conhecimento científico".
 
d) "Se nós considerarmos que a filosofia é, em primeiro lugar, um trabalho para transformar uma experiência imediatamente vivida numa experiência compreendida e, portanto, a filosofia é um trabalho para transformar uma experiência em um saber a respeito dessa mesma, o campo da filosofia é vastíssimo. É o campo de todas as experiências possíveis...".
 
e) "O trabalho filosófico é um trabalho essencialmente técnico, na medida em que exige formação técnica específica para ser levado a cabo em sua especificidade epistêmica. Assim como a ciência, a filosofia representa uma ruptura integral com as determinações do senso comum, escapando da dimensão existencial e alçando voo para um patamar reflexivo marcado pela completa neutralidade e a-historicidade de suas formulações".
 

Leia o fragmento para responder às questões 10 E 11.
 
"Lembremos a figura de Sócrates. Dizem que era um homem feio, mas que, quando falava, exercia estranho fascínio. Procurado pelos jovens, passava horas discutindo na praça pública. Interpelava os transeuntes, dizendo-se ignorante, e fazia perguntas aos que julgavam entender determinado assunto: "O que é a coragem e a covardia?", "O que é a beleza?", "O que é a justiça?", "O que é a virtude?". Desse modo, Sócrates não fazia preleções, mas dialogava. Ao final, o interlocutor concluía não haver saída senão reconhecer a própria ignorância. A discussão tomava outro rumo, na tentativa de explicitar melhor o conceito". (ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. MARTINS, Maria Helena Pires. Filosofando: Introdução à Filosofia, 2009, p.21).
QUESTÃO 10 

A partir do fragmento acima exposto, é correto afirmar sobre o pensamento socrático:
 
I. que se define enquanto saber inacabado, porque é dinâmico e está em construção;
 
II. que é por natureza dogmático, já que o próprio Sócrates é detentor de um saber;
 
III. que não faz de Sócrates "um ser que ilumina", já que o caminho por ele proposto é o da discussão intersubjetiva e dialogal.
 
É correto o que se afirma em
 
(A) I e III, apenas.
 
(B) I, II, e III.
 
(C) II e III, apenas.
 
(D) I e II, apenas.
 
QUESTÃO 11
Por meio do diálogo, Sócrates construía com seus interlocutores uma relação pautada em perguntas, respostas e novas perguntas. Tal método também ficou conhecido como maiêutica, e sobre ele é correto afirmar que 
(A) tem como finalidade uma conclusão efetiva, ainda que seu interlocutor não abandone a doxa.
 
(B) a verdade descoberta por seu interlocutor consiste em uma novidade ontológica.
 
(C) enquanto dizia saber apenas que não sabia, Sócrates propunha o "não saber" como termo à sua filosofia.
 
(D) possibilitava Sócrates ajudar seus interlocutores a dar à luz ideias que já estavam neles.
 
QUESTÃO 12
Muito já se disse acerca das relações entre mito e filosofia. Há aqueles, como o inglês Francis Macdonald Cornford, que, ainda que tenham suas diferenças, há vínculos do mito na filosofia. Porém, ao contrário desta teoria da continuidade, estudiosos do assunto, como Jean-Pierre Vernant, defendem a ruptura entre mito e filosofia. 
Considerada esta última hipótese, pode-se afirmar que a ruptura entre mito e filosofia se dá porque
 
(A) o mito tem caráter cosmológico, enquanto a filosofia explica o universo a partir de bases racionais.
 
(B) a inteligibilidade do mito é dada, enquanto a filosofia busca a definição rigorosa de conceitos.
 
(C) o mito possui uma relação crítica com seu conteúdo, enquanto a filosofia jamais é crítica de si mesma.
 
(D) o mito é narrativo, enquanto que a filosofia é descritiva.
 

QUESTÃO 13

Sobre as origem da Filosofia, é correto afirmar: 
a. (  ) Surgiu na Grécia, em torno do século VI a.C., quando os gregos perceberam que as explicações míticas não eram suficientes para explicar os fenômenos da natureza.
 
b. ( ) Está relacionada com as conquistas gregas do Oriente por Alexandre Magno, em torno do século III a.C., e o fenômeno denominado Helenismo pelos conquistadores.
 
c. ( ) Tornou-se uma disciplina de reflexão e crítica proporcionada pela conquista da Grécia pelos romanos, em torno do século II a.C., e a transferências de sábios para a cidade de Roma.
d. ( ) Está vinculada à publicação do livro a República de Platão, em torno do século IV a.C., quando as diferentes formas de conhecimento foram impressas em pergaminhos.
 
e. ( ) Surgiu com os primeiros relatos do historiador Heródoto, em torno do século V a.C., ao refletir sobre o significado da vitória contra os persas na Batalha de Maratona.
 
QUESTÃO 14
"Quem são os verdadeiros filósofos? Aqueles que amam a verdade" (Platão). 
"A crença forte só prova a sua força, não há a verdade daquilo em que se crê" (Nietzsche).
 
"Não há verdade primeira, só há erros primeiros" (Bachelard).
 
Para a atitude crítica ou filosófica, a verdade nasce da decisão e da deliberação de encontrá-la, da consciência da ignorância, do espanto, da admiração e do desejo de saber. Nessa busca, a Filosofia é herdeira de três grandes concepções da verdade:
 
a) Evidência - conservador - verificação.
 
b) Dogmática - sintaxe - semântica.
 
c) Prática-coerência - juízo-real - uso-valor.
 
d) Ver-perceber - falar-dizer - crer-confiar.
 

QUESTÃO 15
Em filosofia, o conceito de "mundos possíveis" é usado para expressar: 
a) Princípios de permanência e transformação.
 
b) Dependências e processos sociais (trabalho e facticidade).
 
c) Modalidades (possibilidade, necessidade e contingência).
 
d) Ideologia, identidade e utopia.
 
QUESTÃO 16

Filósofo, matemático e fisiologista, o francês René Descartes é considerado o pai da matemática e da filosofia moderna. Em 1637, publica três pequenos tratados científicos: A Dióptrica, Os Meteoros e A Geometria, mas o prefácio dessas obras é que faz seu futuro reconhecimento: o Discurso sobre o método. O propósito inicial era encontrar um método seguro que o conduzisse a verdade indubitável. Assinale a opção correta quanto as quatro regras básicas do método. 
A) 1º Da dúvida/evidência / 2º Da divisão/simplificação / 3º Revisão/exatidão/ 4º Do ordenamento/enumeração
 
B) 1º Princípio: Da dúvida/evidência / 2° consistia em dividir cada uma das dificuldades que examinava em tantas parcelas quantas fosse possível e fosse necessário, para melhor as resolver. 3º Princípio: do ordenamento/enumeração / 4° consistia em fazer sempre enumerações tão completas e revisões tão gerais, que tivesse a certeza de nada omitir.
 
C) 1° Nunca aceitar coisa alguma por verdadeira, sem que a conhecesse evidentemente como tal/ 2° consistia em conduzir por ordem os meus pensamentos, começando pelos objetos mais simples e mais fáceis de conhecer, para subir, pouco a pouco, gradualmente, até ao conhecimento dos mais complexos, não deixando de supor certa ordem entre aqueles que não se sucedem naturalmente uns aos outros/ 3º Princípio: Da divisão/simplificação / 4º Princípio: Revisão/exatidão.
 
D) 1° Consistia em fazer sempre enumerações tão completas e revisões tão gerais, que tivesse a certeza de nada omitir / 2º Da divisão/simplificação / 3º Revisão/exatidão / 4° consistia em conduzir por ordem os meus pensamentos, começando pelos objetos mais simples e mais fáceis de conhecer, para subir, pouco a pouco, gradualmente, até ao conhecimento dos mais complexos, não deixando de supor certa ordem entre aqueles que não se sucedem naturalmente uns aos outros.
 
E) 1º Da dúvida/evidência/ 2° consistia em dividir cada uma das dificuldades que examinava em tantas parcelas quantas fosse possível e fosse necessário, para melhor as resolver/ 3º Da divisão/simplificação / 4º Do ordenamento/enumeração.
 
QUESTÃO 17
"O principio primordial deveria ser algo que transcendesse os limites do observável, ou seja, não se situaria em uma realidade ao alcance dos sentidos, como a água, seria, portanto, o indeterminado...". 
HÂTELET, História da filosofia.
 
"a filosofia grega parece começar com uma ideia absurda, com a proposição: a água é a origem e a matiz de todas as coisas. Será mesmo necessário deter-nos nela e levá-la a sério? Sim, e por três razões: em primeiro lugar, porque essa proposição enuncia algo sobre a origem das coisas; em segundo lugar, porque o faz sem imagem e fabulação; e, enfim, em terceiro lugar, porque nela, embora apenas em estado de crisália, está contido o pensamento: "Tudo é um"."
 
NIETZSCHE, A filosofia na época trágica dos gregos.
 
"Como nossa alma, que é o ar, soberanamente nos mantém unidos, assim também todo o cosmo sopro e ar o mantém".
 
Pré-socráticos.
 
No vasto mundo grego, a filosofia teve como berço a cidade de Mileto. Caracterizada por múltiplas influencias culturais e por um rico comércio, Mileto abrigou os três primeiros pensadores da história ocidental, que tentaram descobrir, com base na razão e não na mitologia, o principio substancial. Sendo assim, a partir dos conhecimentos sobre a filosofia Pré-socrática, os trechos acima se referem respectivamente aos filósofos:
 
A) Anaxímenes, Tales e Anaximandro.
 
B) Anaxímenes, Anaximandro e Tales.
 
C) Anaximandro, Tales e Parmênides.
 
D) Anaxímenes, Tales e Parmênides.
 
E) Anaximandro, Tales e Anaxímenes.
 

QUESTÃO 18
O momento histórico da passagem do mito ao nascimento da filosofia da Grécia antiga teve como um dos fatores a: 
A) A condição geográfica do território grego proporcionou a expansão em direção ao exterior, favorecendo o comercio marítimo, contribuindo para o processo de desmistificação.
 
B) A reinvenção de uma escrita, estimulando o pensamento crítico, enquanto as leis escritas foram responsáveis pela permanência no poder da classe rica já existente.
 
C) A organização política relacionada aos limites geográficos do território grego permitiu a formação de um grande e único império.
 
D) O ambiente da polis estimulava o debate em praça publica, fazendo nascer a política e o cidadão, mesmo sendo suas decisões ainda sob o poder da vontade dos deuses.
 
E) Todas as alternativas anteriores estão corretas
 
QUESTÃO 19

O mito é a forma mais remota de crença, narrativas sobre a origem do mundo, dos homens e das coisas da natureza. Sobre o mito, assinale a alternativa INCORRETA.
 
A) Procura explicar de forma abstrata, uma realidade "misteriosa" para o homem.
 
B) O mito está impregnado do desejo humano de afugentar a insegurança, os temores e a angustia diante do desconhecido.
 
C) O mito formava para os gregos um sistema fácil, onde os fenômenos naturais ocorrem de forma objetiva.
 
D) Explica a realidade, como também acomoda e tranquiliza o ser humano em seu mundo assustador.
 
E) O mito grego "As moiras", eram as divindades irmãs que regulavam a duração da vida dos seres humanos desde o nascimento até a morte.
 
QUESTÃO 20

Quanto ao pensamento filosófico ou simplesmente o filosofar, nasce do desejo de perguntar, de conhecer, de investigar, de encontrar soluções que o incentivem o homem a evoluir, sendo assim podemos afirmar que a filosofia: 
A) Interessa-se pela própria inteligência e pela realidade de uma forma geral
 
B) Não se satisfaz apenas com os resultados apresentados pelas ciências e sempre procura ir além, mas sem discutir com seus propósitos políticos e sociais.
 
C) Usa-se de argumentos por vezes inválidos para justificar seus conhecimentos
 
D) Tem como método também utilizado, as opiniões pessoais.
 
E) Todas as alternativas anteriores estão incorretas
 

QUESTÃO 21

Observe o exemplo: 
O mercúrio é um metal.
 
Ora, o mercúrio não é sólido.
 
Logo, algum metal não é sólido.
 
O exemplo é uma argumentação composta por três proposições, em que a ultima, a conclusão, derivam logicamente das duas anteriores, chamadas de premissas.
 
Aristóteles denomina esse tipo de argumento como:
 
A) Silogismo
 
B) Dedução
 
C) Inferência
 
D) Sofisma
 
E) Analogia
 
QUESTÃO 22
Descartes inicia sua obra filosófica fazendo um balanço de tudo o que sabia, ao final, conclui que tudo quanto aprendera tudo quanto sabia e tudo quanto conhecera pela experiência era duvidoso e incerto e acaba não aceitando nenhum dos conhecimentos aprendidos, a menos que pudesse provar racionalmente que eram certos e dignos de confiança. Enfim, submete todos os conhecimentos existentes em sua época e os seus próprios a um exame crítico que ficou conhecido como: 
A) Duvida metódica
 
B) Duvida socrática
 
C) Duvida existente
 
D) Duvida filosófica
 
E) Duvida existente
 
QUESTÃO 23

As indagações fundamentais da atitude filosófica e da reflexão filosófica não se realizam ao acaso. A filosofia não é feita de "achismos" nem é pesquisa de opinião à maneira dos meios de comunicação de massa. As indagações filosóficas se realizam de modo sistemático. Sabendo disso, é correto afirmar que o conhecimento filosófico é um trabalho intelectual onde: 
A) As respostas estejam relacionadas entre si e esclareçam umas às outras
 
B) Contenta-se exclusivamente em obter respostas para as questões que se apresentam
 
C) As respostas formem conjuntos coerentes de ideias
 
D) As respostas sejam provadas e demonstradas racionalmente
 
E) As respostas formem conjuntos coerentes de significações
 

QUESTÃO 24

Ao se estudar filosofia, somos levados a buscar o que ela é e descobrimos que não há apenas uma definição de filosofia, mas várias. Considerando as concepções de filosofia existentes é correto afirmar que: 
I - Platão mostra que o espanto é a fonte da dúvida e que muitas vezes é causado de forma natural ou de forma forçada causada pelo próprio filósofo que deseja abrir uma discussão sobre o assunto a ser tratado.
 
II - Aristóteles mostra que os homens vão à busca de sabedoria e que quando começam a filosofar se deparam com a dúvida deixando-os perplexos diante das dificuldades, mas que com passar do tempo, vão conseguir enfrentar problemas bem maiores do que aqueles que os deixaram perplexos no início.
 
III - Descartes mostra que nós precisamos desconfiar de tudo que pode nos causar alguma dúvida e que nos devemos considerar que coisas que nos parecem verdadeiras podem ser certas e mais fáceis de desvendar.
 
IV - Kant mostra que o filosofar só é possível quando exercitando a razão, fazendo-a seguir os princípios universais.
 
A) As afirmativas I,II e III estão corretas.
 
B) As afirmativas II e IV estão corretas
 
C) As afirmativas I, III e IV estão corretas
 
D) As afirmativas I e IV estão corretas
E) As afirmativas I, II, III e IV estão corretas. 

QUESTÃO 25

"A Filosofia é uma reflexão crítica a respeito do conhecimento e da ação, a partir da análise dos pressupostos do pensar e do agir e, portanto, como fundamentação teórica e crítica dos conhecimentos e das práticas." (Fonte: MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio Mais (PCN+EM)). Sobre a reflexão crítica, assinale a alternativa INCORRETA. 
a) A Filosofia indaga sobre o significado e realidade das coisas.
 
b) A Filosofia questiona como as coisas e a realidade se estruturam.
 
c) A Filosofia pergunta o que são as coisas, suas origens, causas e efeitos.
 
d) A Filosofia é um processo de reflexão, um "conhece-te a ti mesmo".
 
e) Para a Filosofia não é necessário compreender nossa capacidade de conhecer.
 
QUESTÃO 26
"A reflexão filosófica é o movimento pelo qual o pensamento, examinando o que é pensado por ele, volta-se para si mesmo como fonte desse pensamento" (CHAUI, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Editora Ática, 2005, p. 20). A esse respeito assinale a alternativa INCORRETA. 
a) A reflexão filosófica é radical, isso significa que ela vai à raiz do problema.
 
b) A base da reflexão filosófica encontra-se exclusivamente no mundo objetivo, na realidade exterior dos homens.
 
c) Podemos dizer que a reflexão filosófica é o pensamento interrogando a si mesmo.
 
d) A reflexão filosófica é questionamento, "por quê?", "o quê?" e "para quê?".
 
e) A crítica faz parte do processo de reflexão filosófica.
GABARITO
1-A
2-D
3-A
4-B
5-B
6-C
7-B
8-C
9-E
10-A
11-D
12-B
13-A
14-D
15-C
16-B
17-E
18-A
19-C
20-A
21-A
22-A
23-B
24-E
25-E
26-B

Nenhum comentário:

Postar um comentário